segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O Vira

O Saci & Companhia


As Lendas ocupam um lugar de destaque na literatura folclórica, porque elas transmitem sinceridade e simplicidades.
As Lendas Brasileiras encerram em si a ironia dos índios, O riso dos Africanos, a pastucada dos Portugueses e a grande alegria de viver dos Italianos. Tudo isto misturado transformou nossas lendas em um verdadeira joia folclórica.
A maior contribuição foi dos indígenas; quando os exploradores chegaram no Brasil, eles já tinham suas Tradições e suas Lendas.
São consideradas as mais belas Lendas Brasileiras : Curupira, que, também, é chamado de Caapora, Caiçara, Temos ainda, o Saci Pererê, Lobisomem, as Amazonas, Caatiu, Nossa Senhora da Aparecida,
Acaiaca, Negrinho do Pastorio, e outros.
Ao lado desta , acrescentamos as lendas do Velho Chico: Mãe D'Água, Cabloco D'Água, Nego D'Água, Carranca, Minhocão, Serpente da ilha do Fogo, Encontro da Imagem de Nossa Senhora das Grotas.

domingo, 30 de outubro de 2011

Último domingo de Outubro

 Último domingo de outubro, Festa de Nossa Senhora do Rosário, em Juazeiro. A festa religiosa acontece com a participação dos Congos, um grupo cultural e religioso, que tem mais de 100 anos. É Patrimônio Cultural da cidade.
 O Rei e a Princesa em frente a Catedral de Juazeiro.
 Os Congos percorrem as ruas, bairros, dançando e cantando. no seu comando, José Pereira Filho, Seu Govéi.
 Saem na Festa de Nossa Senhora do Rosário, dia do Finados e  eventos especiais. 

Os Congos

Congos- Juazeiro-BA: por "Equipe Cultura Lá & Cá".

Identidade e Religiosidade Afro-Brasileira em Juazeiro-BA


Profº Paulo Soares
 Começo esse relato falando de José Pereira Filho, um simpático e enérgico senhor conhecido como “Govéi dos Congos”. Trata-se de uma pessoa que, literalmente, assume a posição de sujeito e que singularizou-se como líder da história religiosa de um grupo de pessoas na cidade de Juazeiro-Ba, conduzindo uma tradição afro-brasileira herdada de maneira direta do avô. Trata-se dos Congos de Juazeiro, um grupo religioso que preserva o culto a Nossa Senhora do Rosário, historicamente ligado ao povo negro em várias regiões do Brasil. O grupo sai em cortejo pelas ruas da cidade de Juazeiro no dia de Nossa Senhora do Rosário (último domingo de outubro), no dia de Finados (02 de novembro) e nos dias em que são convidados para visitação a algumas casas do município 
Acompanhamos os congos na sua visita ao cemitério no dia de finados. Neste dia aconteceu uma missa católica em frente a capela do cemitério e crentes evangélicos distribuíram panfletos na entrada do cemitério. Somente depois da missa é que os Congos começam as suas cantorias ao som dos pandeiros. Em cada cova de um congo falecido, eles cantam a sua música predileta ou alguma que faça lembrar dele. Debaixo do sol causticante, os Congos também rezam e pedem pela alma dos seus entes queridos. Um congo falecido, cuja música predileta é cantada e dançada ao pé de sua cova, como – ao que pude ver – ser costume nesse dia, certamente é lembrado pela amizade vivida com as pessoas que hoje o homenageiam. Mas, não para por aí. Um congo falecido e lembrado no dia de finados representa a legitimidade de uma tradição passada de pai para filho e de avô para neto, legitimidade essa também expressa no modo como pessoas de todas as idades, sobretudo as crianças, se envolvem com as práticas dos congos. São as forças da continuidade (cf. VELHO: 2008) garantindo a existência de um laço que resiste ao tempo e envolve um grupo de pessoas do presente com outras do passado dentro de uma mesma tradição identitária.
A partir da liderança de Govéi, os congos de Juazeiro-Ba formam um grupo cultural marcadamente religioso, religiosidade essa fortemente expressa através da saída dos congos no dia da festa de Nossa Senhora do Rosário e no dia de finados para visita ao cemitério da cidade, como pude acompanhar. Pensando a partir dos objetivos da nossa pesquisa, a qual lida com processos identitários e de singularização, podemos considerar que saindo para homeagear os seus mortos, os congos estão reavivando os vínculos identitários que os distinguem enquanto grupo diferenciado, pois que a sua prática constitui-se enquanto prática simbólica diferenciada das outras que aconteciam paralelamente naquele dia de finados, no cemitério de Juazeiro-Ba.
A existência desse tipo de religiosidade em muitos lugares do Brasil e especialmente neste caso é, certamente, uma herança das tradições africanas, cuja religiosidade e visão de mundo cultiva uma relação viva com os antepassados.

Dia do Saci

sábado, 29 de outubro de 2011

Bega Cores em Cores - Arte Contemporânea

Há anos o Artista Visual Bega, na sua pesquisa de artes e na busca de uma linguagem mais popular que atingisse o publico de maneira mais direta, criou uma máquina de pintura denominada Pingo de Tinta a qual realiza pinturas abstratas a partir do despejar de tintas coloridas sobre uma superfície plana apoiada por suporte, que ao girar a uma determinada velocidade. espalha-se criando efeitos inusitados.
O artista convida a realizar uma pintura utilizando a máquina de pintar, e participar com sua obra de arte da MOSTRA DE PINTURA INTERATIVA CORES EM CORES,   no Centro de Cultura João Gilberto.

 O artista Contemporâneo Rosembergue da Silva Santos, Bega, coloca todo mundo pra pintar, uma exposição onde o público é o artista, professores, advogado, psicologo, jornalista, empresário. Todos fazem a sua arte e participam da Amostra  de Arte Interativa Cores em Cores. Bega é um inventor, escultor, carnavalesco e cenógrafo. Faz uma arte democrática onde todos participam.  
 Pintura de Jocélio, ator - Pintura da profª universitária Fátima Pontes 
 Pintura de Bega - Pintura de Gugu, funcionário público
Pintura de Bega - Pintura de Jaime Badeca, advogado
Pintura do profº e cabeleireiro Adonilson Souza

sábado, 22 de outubro de 2011

Uma Canção Mexicana - Malaguena Salerosa

Jovens & Movimentos Sociais

Sensibilização Projeto Escola Joca de Souza

 Aconteceu(21/10) na Escola Joca de Souza Oliveira, a sensibilização do projeto: “ Amigos do Planeta em Ação” com a participação de todo o corpo docente, discente e comunidade, onde foram desenvolvidas atividades relativas ao eixo temático Sustentabilidade, no momento houve apresentação de slides, coreografias, momento musical e premiação do aluno que criou o desenho do mascote do projeto denominado Joquinha.
Simultaneamente a estas atividades os professores desenvolviam em sala de aula, atividades relacionadas ao eixo.
Texto e Fotos: Coordenação do projeto Escola Joca de Souza

Aprendendo com as Crianças

Escola Municipal Antônio Francisco de Oliveira - Salitre - Goiabeira II

A Escola Municipal Antônio Francisco de Oliveira, que fica no Salitre, distrito de Juazeiro fez o encerramento do Projeto Leitura Prazerosa, Escrita Fabulosa. O objetivo alfabetizar as crianças, foi alcançado com 80% de novos leitores. A Escola fica a uns 55 Km de Juazeiro.
A Gestora Valdete, a Coordenadora Marina e todos os professores estão de parabéns, por terem alcançados os seus objetivos. As crianças leram, desenharam e fizeram teatro com o clássico infantil A Formiga e a Cigarra.
Os pais também estavam presente.
 Logomarca da escola e desenho feito por aluno.
As crianças atuando na peça de Teatro, a coordenadora Marina e a gestora Valdete. A professora responsável pelo clássico infantil,  A Cigarra e a Formiga, foi a Profª Leila Rejane.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

1POR1PRAUM

 Aconteceu na Praça Imaculada Conceição a apresentação do novo trabalho do Balé Teatro Castro Alves - 1POR1PRAUM, que tem como tema O Confessionário.
 Contou com a presença de vários artistas, advogados, professores e estudantes. 
 A comunidade Juazeirense compareceu ao evento e todos saíram encantados com a performance dos bailarinos e atores.  

Balé Teatro Castro Alves

domingo, 16 de outubro de 2011

Outubro Rosa - Juazeiro Rosa

O Outubro Rosa é um alerta as mulheres para os  risco do câncer de mama.
 Conscientização e prevenção do diagnostico precoce.
 E não esquecer a mamografia.
 O objetivo é chamar atenção das mulheres para  prevenção da doença.

Machado de Assis


O mais brilhante e prestigiado de nossos autores, o carioca Joaquim Maria Machado de Assis (1839 - 1908), era mulato, pobre e órfão. Adorava ler - e isso fez a diferença na sua vida. Começou como tipógrafo, aprendeu línguas, tornou-se jornalista e escritor renomado e terminou fundando, com outros intelectuais, a Academia Brasileira de Letras (1896). Sua ficção, para Alfredo Bosi, representa “o ponto mais alto e mais equilibrado da prosa realista brasileira”. A preocupação psicológica e as contradições da alma humana estão sempre presentes em seus personagens, tornando-os humanos, verossímeis e profundos.
Fonte: MEC





Caixa Lança nova Propaganda
O novo comercial da Caixa foi lançado em comemoração aos 150 anos, no primeiro comercial o ator que interpretava o mulato Machado de Assis,era branco. O presidente da Caixa pediu desculpa, aos movimentos que militam nas causas raciais e ao povo Brasileiro.

sábado, 15 de outubro de 2011

As razões do movimento


O movimento de protesto nos Estados Unidos teve ontem um dia diferente em Nova Iorque: piquetes de centenas de pessoas se manifestaram às portas de cinco dos maiores milionários de Manhattan, começando pela casa de Rupert Murdoch. Outras residências visitadas foram as dos banqueiros Henry Paulson, Jamie Dimon, David Koch, e Howard Millstein – todos eles envolvidos nos grandes escândalos de Wall Street, e socorridos por Bush. Os lemas foram os mesmos: que tratassem de devolver o que haviam retirado da economia popular.
A polícia limitou-se a conter, com barreiras, os manifestantes. Mas a mesma coisa não ocorreu em Boston. A polícia municipal atuou com extrema violência durante a madrugada de ontem, atacando, com porretes, dezenas de manifestantes e ferindo dois veteranos de guerra, um deles, de 74 anos, ex-combatente no Vietnã. O “Occupy Together” atingiu mais de 1.200 cidades norte-americanas, em preparação para as grandes concentrações nacionais no próximo sábado, dia 15.
Conforme o jornalista americano David Graeber, em incisivo artigo publicado pelo The Guardian, os jovens, e também homens maduros, vão às ruas nos Estados Unidos em busca de empregos, de boa educação, de paz, é certo,  mas querem muito mais do que isso. Eles contestam um sistema que deixou de servir aos homens, para servir apenas aos banqueiros e a um capitalismo anacrônico. “Para que serve o capitalismo?”, é uma de suas perguntas. Eles contestam um sistema baseado no consumo supérfluo de uns fundado na negação das necessidades básicas de 99% da população de seu país. Descobriram que o seu futuro, os seus sonhos, o seu destino e a sua vida  foram roubados pelo sistema que deixou de ser democrático.
Os neoliberais no mundo inteiro fazem de conta que esses protestos nada significam, e muitos deles continuam  sem perceber o que está ocorrendo. Tem sido sempre assim na História. Na noite de 4 de agosto de 1789, quando, a Assembléia revolucionária da França aboliu os privilégios feudais da nobreza, Luis 16,  que seria guilhotinado menos de três anos depois, escreveu em seu diário: hoje, nada de novo. Como bem registrou Paul Krugman, em seu artigo no New York Times, os manifestantes não são extremistas: os verdadeiros extremistas são os oligarcas, que não querem que se conheçam as fontes de sua riqueza.
Não percebem os políticos o processo revolucionário em marcha que, de uma forma ou de outra, atingirá todos os países do mundo. Ao globalizar-se, pela imposição do sistema financeiro, a economia, globalizou-se a reação dos povos ao sistema totalitário e criminoso. Seria a hora de um entendimento entre os estadistas do mundo, a fim de chamar os especuladores à razão e colocar o Estado ao serviço da justiça, retornando-o à sua natureza original.  Na Europa e nos Estados Unidos o que se vê é o Estado socorrendo os banqueiros fraudulentos, e os ricos insistindo na receita neoliberal clássica, de ajustes fiscais, de redução dos serviços sociais, do arrocho salarial e da demissão sumária de imensos contingentes de trabalhadores, a fim de garantir o lucro dos especuladores.
Nos anos oitenta, os paises emergentes de hoje, entre eles o Brasil, estavam atolados em uma dívida internacional marota, gerada pela necessidade de rolar os bilhões de eurodólares, e não dispunham de recursos. Mme Thatcher disse que o Brasil teria que vender as suas terras e florestas, a fim de pagar o que devia. Hoje, trinta anos depois, a Grécia está vendendo tudo o que pode, até mesmo monumentos históricos, enquanto parcelas de seu povo começam a passar fome.
Quando os africanos morrem de fome e de epidemias, como voltaram a morrer agora, não há problema. Para os brancos, europeus ou americanos, é alguma coisa que não lhes diz respeito. A África não é outro continente: é outro mundo. Mas, neste momento, são brancos, de cabelos louros e olhos azuis, como os manifestantes de Boston – jóia da velha aristocracia da Nova Inglaterra – que vão às ruas e são espancados pela polícia. A revolução, como os próprios manifestantes denominam seu movimento pacífico, está em marcha. A mudança virá!
Há é certo, algumas providências na Europa, como a estatização do banco belga Dexie, mas se trata de um paliativo, quando Trichet, o presidente do Banco Central Europeu recomenda injetar mais dinheiro no sistema financeiro privado. Mais astuto, o governo da China reforçou a presença estatal no sistema financeiro, aumentando a sua participação nos bancos de que é acionista majoritário.
E o mundo se move também na política. Abbas – o presidente da Autoridade Nacional Palestina, que luta pelo reconhecimento pela ONU de seu Estado nacional -  em hábil iniciativa, esteve anteontem e ontem em Bogotá. Ele fez a viagem a Colômbia, sabendo que dificilmente o apoiariam: o país hospeda bases militares americanas e, ontem mesmo, um comitê do Senado, em Washington, aprovou o Tratado de Livre Comércio entre os dois países. Assim, o presidente Juan Manuel Santos limitou-se a declarações protocolares de apoio à paz no Oriente Médio, o que não impedirá a caminhada da História.

Mudanças Globais

Em 951 cidades -! Em 82 países em 15 de outubro as pessoas de todo o mundo vai tomar as ruas e praças. Da América à Ásia, da África para a Europa, as pessoas estão se levantando para reivindicar seus direitos e exigem uma verdadeira democracia. Agora é hora de todos nós para participar de um protesto global de não violentos. Os poderes dominantes trabalhar para o benefício de poucos, ignorando a vontade da grande maioria e o preço humano e ambiental que todos temos de pagar. Esta situação intolerável deve acabar.
Unidos em uma só voz, vamos deixar que os políticos e as elites financeiras que servem, sei que cabe a nós, o povo, para decidir o nosso futuro. Nós não somos mercadoria nas mãos de políticos e banqueiros que não nos representam. No dia 15 de outubro, vamos nos encontrar nas ruas para iniciar a mudança mundial que queremos. Vamos demonstrar de forma pacífica, falar e organizar até que isso aconteça. É hora de nos unir. É hora para que eles ouçam. Mais informações: http://15october.net

Mensagem aos Professores


Homenagem aos Professores

Parabéns Professores


sexta-feira, 14 de outubro de 2011

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

O Pequeno Príncipe

Homenagem a Criança - Escola Joca Oliveira

 A Escola Municipal Joca de Souza Oliveira, que fica na Rua Carlos Drumond de Andrade, no bairro de  Maringá em Juazeiro, fez uma homenagem  ao Dia da Criança com uma maravilhosa festa, com teatro, balé, palhaços, capoeira, oficina de pipa, arraia & papagaio, pipocas, cachorro quente e suco de frutas.
 A Gestora Uyara Cristina e sua equipe: Gislene, Vera Lúcia e todos os professores estão de parabéns por levar alegria,diversão, arte e cultura e pela bonita homenagem aos alunos da Escola Joca Oliveira.

Juazeiro Rosa

 O Outubro Rosa é um alerta as mulheres para os  risco do câncer de mama, conscientização e prevenção do diagnostico precoce, é não esquecer a mamografia. O objetivo é chamar atenção das mulheres para  prevenção da doença.
 Prefeitura Municipal de Juazeiro.
 Coreto da Praça da Misericórdia. 
 Catedral Nossa Senhora das Grotas.
 Ponte Presidente Dutra e Orla de Juazeiro.

De lá pra Cá - Meio Ambiente



terça-feira, 11 de outubro de 2011

Colégio Bom Jesus - N1 Projeto Curacá

 Estamos na estrada Juazeiro-Curaçá com destino ao Núcleo 1 do Projeto Curaçá. Vamos conhecer a Escola Bom Jesus, que está fazendo o Projeto Meio Ambiente Desenvolvimento Sustentável, em parceria com a comunidade para os problemas da devastação da flora e fauna da região.
 Estamos passando pelo Serrote do Tirano, a professora Neide falou que tem uma trilha muito boa no Serrote, e  já foi várias vezes, disse que a vista lá em cima é divina. 
O Projeto Curaçá fica no distrito de Itamotinga a 72 Km de Juazeiro.
Você afasta um pouquinho do rio, e encontra logo a Caatinga. As plantas ficam sem as folhas, mas é estrategia de sobrevivência, elas passam a precisar de pouca água, aprenderam a conviver com a seca.
 Chegamos no Projeto Curaçá Núcleo 1, no Distrito de Itamotinga.
 Igreja do Projeto Curaçá Núcleo 1.
A comunidade já esperava o desfile do Colégio Bom Jesus. O Distrito de Itamotinga fica as margens direita do Velho Chico  é responsável  por uma grande produção agrícola, tem escolas Municipais e Estaduais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Nego D'Água

O Nego D'Água

OS CONGOS - FESTA DO ROSÁRIO

OS CONGOS - FESTA DO ROSÁRIO

Rio São Francisco

Rio São Francisco
Juazeiro Bahia