terça-feira, 29 de setembro de 2009

AGÊNCIAS BANCÁRIAS

As agências Bancárias têm um papel muito importante, na vida da comunidade.
Apoiam as transações comerciais. Através delas o funcionários público recebe seus vencimentos.
Nelas são depositadas as economias das pessoas, por se tratarem de locais seguros para guardar dinheiro. Há também o sistema de poupança. Com este sistema, o Banco é beneficiado e o depositante também, ao receber seu dinheiro com juros.

A primeira Agência Bancária de Juazeiro foi o Banco do Brasil, instalado em 1924. A este seguiram-se: Caixa Econômica Federal, instalada em 1938; Instituto do fomento do Estado da Bahia, (hoje BANEB), instalado em 1947; Banco Econômico, Instalado em 1956; Bradesco, instalado em 1974 - Bradesco instantâneo, instalados em 23 de janeiro de 1986; Banorte, instalado em 1983; instalado em 1985; Banco América do Sul, instalado em 1986.
Os Bancos são instrumentos de fomentar o progresso econômico da região, agentes financeiros da agricultura, do comércio e da industria.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

SOBRADINHO

Sobradinho é o primeiro maior lago artificial do mundo em superfície. Foi construído para regulamentar o fornecimento de água para Paulo Afonso. Tendo sido explorado posteriormente para gerar energia, irrigar terras e facilitar a navegação de eclusa. Seu potencial energético é imenso.
Este projeto foi implantado pela CHESF - Companhia Hidroelétrica do Rio São Francisco. Sobradinho fica no município de JUazeiro a 40 Km de distância da sede.
Em Sobradinho, existe também a eclusa para navegação.

Na construção desse lago várias cidades baianas ficaram em baixo de suas águas: Pilão Arcado, Remanso, Sento Sé, Casa Nova.
Mais de 60.000 mil pessoas sofreram com a desapropriação das terras.
Com o armazenamento de água, o Lago de Sobradinho passou a ser o grande centro de pesca da região. Milhares de pescadores procuram-no para desenvolver suas atividades.
A CAR - Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional - no Lago de Sobradinho, dá ao pessoal relocado às margens do lago, assistência aos pescadores, agricultores, pecuarista, e, orientação para formação de associações.
Depois do lago, a irrigação começou a ser usada, com vantagens para a agricultura.
Grande parte do Nordeste está usando força e energia de Sobradinho a partir de 1981.
Antes do lago, a região sofria constantemente com as enchentes do rio e com os longos períodos de seca.
DADOS TÉCNICOS:
Junho de 1971 - decisão de execução do projeto para construção do lago.
06.09.72 - Início das obras de acampanhamento
26.06.73 - Início das obras da barragem.
21.12.79 - Início de Operação da eclusa.
BARRAGEM:
Comprimento total - 8.532m
Altura máxima - 41m
Desnível máximo - 32,5m
Área irrigada - 20.000 ha.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

SAÚDE

No dia 01.06.1885, na Câmara de Vereadores, Dr. José Inácio da Silva, médico juazeirense, viu realizado o seu sonho: estava fundada uma casa de saúde para tratamento dos pobres da cidade - a Santa Casa de Misericórdia - que é conhecida hoje por Pronto Socorro. Esta foi a primeira casa para tratamento de saúde, fundada em Juazeiro. Além desta, temos:

HOSPITAL REGIONAL DA F. SESP - SANATÓRIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA - SEMEC -SÓ BABY - CLISE - PRO-MATER - MATERNIDADE SÃO JOSÉ -SOTE - CLÍNICA PEDRIÁTRICA MEIMEI.

Existe, na cidade, a Legião de Combate à Tuberculose fundada em 1971, Esta Legião mantém um mine-hospital, no Bairro da CODEVASF, que justamente `F. SESP dá tratamento às pessoas de baixa rendas atingidas por esta doenças.

A primeira clínica particular de Juazeiro foi instalada no prédio onde funciona o Museu Regional do São Francisco e era de propriedade dos médicos: Giuseppe Muccini e Balbino Oliveira.

LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

EDUCAÇÃO

A primeira escola do município foi criada pelo Decreto de 16 de junho de 1832 e foi regida pelo professor leigo Manuel de Melo Afonso.
Em 1853, Juazeiro ganhou a segunda escola pública, que foi regida pela professora leiga, Hermelinda Custódio de Lima.
No ano de 1865 estas duas escolas pública passaram a ser regidas pelos primeiros professores formados que Juazeiro teve: Francisco do Nascimento e Rosalina Matos do Nascimento (marido e mulher).
O primeiro grupo escolar foi construído pelo dinâmico INTENDENTE MUNICIPAL Aprígio Duarte Filho, na Praça Barão do Rio Branco, inaugurado no dia 31 de dezembro de 1923. Mais tarde, foi demolido e em seu local construíram o atual prêdio dos Correios e Telegráfos.
Neste ano de 1986, temos em Juazeiro: 65 Grupos Escolares, que atendem alunos do nível I do 1º Grau, sendo 41 Grupos Escolares na sede do município e 24 Grupos no interior.
Em 1985, mais de 20.000 crianças foram atendidas nestes 65 Grupos.
Além dos Grupos Escolares, existem os colégios que atendem, primeiro grau completo. São eles:
COLÉGIO ESTADUAL RUY BARBOSA, Inaugurado em 1953, nesse ano era governador do Estado da Bahia, Regis Pacheco; Prefeito de Juazeiro, Edson Ribeiro. O primeiro diretor deste colégio foi o Prof. Agostinho José Muniz.
Mantém os cursos; Nível II do 1º Grau; do 2º Grau; Auxiliar de Patologia Clínica e Auxiliar de Escritório. Funciona 3 turnos.
COLÉGIO ESTADUAL LOMANTO JÚNIOR - Inaugurado em 1969, mantém os seguintes cursos: nível II do 2º Grau: Auxiliar de Emfermagem e Contabilidade. Funciona em 3 turnos.
ESCOLA POLIVALENTES AMÉRICO TANURI - Inaugurado em 1974. Cursos: 1º Grau Maior . Funciona em 3 turnos.
COLÉGIO MUNICIPAL PAULO VI - Inaugurado em 1967. Cursos: 1º Grau Completo, 2º Grau: Assistente de Administração. Funciona 3 turnos.
COLÉGIO DR. EDSON RIBEIRO - Inaugurado em 1945. Mantém os seguintes cursos: 1º Grau Completo; 2º Grau:
Magistério, Análise Química, Contabilidade, Funciona em 3 turnos, Pioneiro na Educação Secundária.
ESCOLA NORMAL ESTADUAL EDVALDO BOAVENTURA - Inaugurado em 06 de abril de 1984. Mantém só o Curso de Magistério. Funciona em um turno.
ESCOLA AGROTÉCNICA DE JUAZEIRO - Inaugurada em 1980. Cursos: Técnico Agropecuária. Funciona em 2 turnos.
ESCOLA DO 1º GRAU ANTONÍLIO DA FRANCA CARDOSO - Inaugurada em 1984. Cursos: 1º grau completo. funciona em 2 turnos.
GRUPO ESCOLAR ALFREDO VIANA - Curso: 1º grau completo. Funciona em 3 turnos.
GRUPO ESCOLAR ROTARY CLUBE - Curso: 1º grau completo. Funciona em 3 turnos.
FACULDADE DE AGRONOMIA DO MÉDIO SÃO FRANCISCO - Fundada em 12 de dezembro de 1960. o 1º vestibular foi realizado em janeiro de 1962 e a primeira turma de Agrônomos diplomou-se em 1965. No seu primeiro ano de atividades, funcionou no prédio da Sociedade Beneficientes dos Artífices Juazeirense. No ano seguintes (1963), ocupou as instalações do antigo Aprendizados Agrícola, no Bairro do São Geraldo.
FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE JUAZEIRO - Criada em 1976 e reinauguradas em 7 de março de 1985, mantém os seguintes Cursos: Especialização para o !º e 2º Graus e Educação para Adultos, Funciona dois turmos.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

domingo, 27 de setembro de 2009

CULTURA

É muito rica a história cultural de Juazeiro.Não só os filhos da terra, como outras pessoas aqui radicados, todos unidos pela força das suas inteligências e amor a Juazeiro, vem, desde o início da história Juazeirense, escrevendo e compondo momentos culturais para o engrandecimento do município.

No início, foram os índios cariris que aqui construíram sua aldeias e deixaram sua arte artesanal na confecção das canoas, dos ajoujos, dos utensílios de barro para o uso doméstico, instrumentos de pesca e conhecimentos sobre o cultivo da terra, sobre a alimentação, sobre as crendices,etc.


Houve, no passado, uma casa que foi chamada de Casa da Cultura. É o velho prédio do Clube Comercial.


Ali foram vividos grandes momentos de arte e cultura. Por ela passaram grandes vultos. Muitas instituições ali foram organizadas. Sua Biblioteca foi a melhor da região sanfranciscana.


Entre os escritores, poetas, jornalista e dramaturgos que enriqueceram a história cultural de Juazeiro, lembramos os nomes de : José Petintinga, Agostinho josé muniz, Luiz do Prado Ribeiro, Edson Ribeiro. Raul da Rocha Queiroz, Joaquim de Queiroz, Giuseppe Muccini, Joseph Wallace Bandeira, Dermerval Ferreira Lima, Constantino Nascimento, Pedro Diamantino,Ediberto Trigueiros, Padre José Gilberto de Luna, João Rodrigues Leal, Wilsom Dias, Pedro Raimundo R. Rêgo, Euvaldo Macêdo Filho,

Lúcio Emanuel José da Silva, Aristides Olímpio Araújo, Expedito Nascimento Filho, Chales Duarte, Chales Alexandre, João Fernandes da Cunha, Walter Dourado, Ermi Ferrari, Isabel Marques de Souza, Jorge Duarte, Antonila da França Cardoso, Laise de Luna Brito, Marta Luz Benevides, Esmelinda Pergentino Calazans Nunes, Maria do Carmo Sá Noqueira, Odomaria Rosa Bandeira Macêdo. Edilson Monteiro, Graciosa Xavier Ramos, Rosalina Nascimento, Saul Rosas,, Carlos Albertos Martins. E muitos outros.
No setor de Música, tem-se muito a dizer sobre Juazeiro. Começamos apresentando a relação de Filamônicas que que foram organizadas aqui; Filarmônica Minerva Canguçu, Filarmônica Apolo Juazeirense, Filarmônica do Aprendizado Agrícola,Filarmônica 1º de Maio, que em 1984 ganhou um prêmio em concurso organizado pelo MOBRAL e FUNARTE. Esta Filarmônica ainda existe, apesar das grande dificuldades que vem enfrentando.

Serve, também, à cidade, a Filarmônica do 3º BPM/J.

Além desta Filarmônicas, vários conjuntos já animaram as festas Juazeirense: Osiris, Oriental, Cacique, Juazeiro Jazz, Sambossa.

Conjuntos fenininos: Lira da 28 de, Filhas de Apolo, Diacuí e tantos outros.


A riqueza musical juazeirense é tão grande que já existiu na cidade um Clube Carnavalesco - O ZERO - que só tocava músicas de compositores da terra.


Grande compositores marcam a história musical desta terra : João Gilberto, Edilberto Trigueiros, Joseph Bandeira, Edésio Santos, José Custodio, Dandão, Gilberto Bandeira, Dário Ferreira, Eurípedes Lima, Coelhão, Mauriçola, Luiz Galvão, Expeditinho, Tatau e outros.
Juazeiro tem a glória de ter servido de berço para o gênio da música popular brasileira - João Gilberto do Prado Pereira Oliveira.
Vários corais, madrigal, conjuntos e regionais, no presente, estão conservando a tradição musical da terra.


Pintores e Escultores do passado e do presente, enriquecem este segmento da cultura juazeirense: Edgar Bandeira, Longuim, Miécio Caffé, Jorginho Sairaf, Sanduarte, Coelhão, Cecílio Matos, João Bosco Mesquita, Saul Rosas, Saldanha, Cel. José Aragão, Fancisco Santos, Levi Tinbira, Parlim, Maria Muhana, Zizi Belfort, Valdelice Aquino, Marlene Roriz, Mary Roriz, Irmã Edith, Cremildes Brandão e muitos outros.

O Teatro foi, sempre, muito usado em Juazeiro; existe documento provando seu uso desde o século passado; os primeiros artista amadores foram os cariris, nas suas celebrações religiosas e sociais.
No presente, alguns grupos de tatro vão tentando, com dificuldade várias, extravasar os seus dons artístico e manter a tradição da terra: Grupo de Teatro Juá, Sui Gêneris, CLUJOL, Fruto da Terra, Grupo de Teatro da Pedra do Lorde, Coroas Coloridas, De Vez Enquando, entre outros.



Nosso artesanato é rico em qualidade, variedade e beleza. Os artesões usam vários tipos de matérias prima. Entre a produção artesanal destaca-se a carranca. Juazeiro é o maior centro de carranqueiros da região, por isso é chamada "Terra das Carrancas".

As Carrancas, primeiramente, foram usadas como enfeites nas barcas; em torno das mesma surgiram as crendices: afastavam os maus espíritos das águas; avisavam, através de gemidos, os perigos a que a barca estava sujeita; davam sorte, etc.
Nos dias atuais, as carrancas são usadas como enfeite e amuleto.
No dia 15 de julho de 1983, na administração de Jorge Khoury, foi instalada a Associação dos Artesãos de Juazeiros e foram inaugurados dois conjuntos de lojinhas de artesanato, nos arcos da Ponte Eurico Dutra.
Entre as manisfestações folclóricas de Juazeiro vamos encontrar uma riqueza impressionante: Penitentes - Carnaval - Lendas - Festejos: Natalinos e Juninos - Congos - Ternos - Reis de Boi - Roda de São Gonçalo - Vaquejada - Samba de Véio - Corrida de Argolinha - Candomblé - Toré - Ao lado desta, os Brinquedos infantis, os usos e Costumes da terra.
O Órgão Municipal de Cultura, com o total apoio do Prefeito Jorge Khoury e do Secretário da SAS, Antônio Joaquim de Oliveira Neto, vem empregando meios para que a cultura popular seja preservada.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

BIBLIOTECA PROFº ARISTÓTELES PIRES DE CARVALHO



Esta Biblioteca foi inaugurada na administração de Durval Barbosa da Cunha, no dia de janeiro de 1974.
O Patrono da Biblioteca foi um professor primário, que soube transmitir, como nenhum outro, às crianças da sua época , o amor e respeito à Pátria.
O Setor infantil da Biblioteca, inaugurado na administração Jorge Khouy, atende a criança de 3 a 14 anos, oferecendo um espaço para seu lazer e cultura.
Pelas estatísticas de frequência, podemos ver a importância que ela representa para a comunidade: em 1985, 15.300 pessoas frequentaram esta biblioteca.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

MUSEU REGIONAL DO SÃO FRANCISCO


O Museu foi inaugurado no dia 05 de julho de 1978. Ele está instalado em uma casa residencial, antiga propriedade do ex-prefeito de Juazeiro - Miguel Siqueira. Mais tarde, ela foi vendida à Comissão do Vale do São Francisco (atual CODEVASF), que aí se instalou por alguns anos.
No dia 24 de junho de 1977, o Chefe da CODEVASF, DR. Nilo Peçanha, sob forma de comodato, cedeu este prédio à comunidade juazeirense, com o objetivo de usá-lo para Museu da Região.
Peças históricas formam seu acervo, visitá-lo é adquirir uma soma muito grande de conhecimentos.
Na administração Jorge Khoury, o Museu Regional do São Francisco passou por grande reforma em suas instalações.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

RELIGIÕES

Juazeiro nasceu religiosamente sob as bênçãos de Nossa Senhora das Grotas.
Aqui moravam os índios Cariris, já recebendo as orientações religiosas dos Franciscanos, quando, em um dia de sol bem juazeirense, um índios, andando pelas matas, de repente, viu dentro de umas grotas uma coisa bonita e desconhecida para ele - a imagem de uma Santa.
Foi tão grande a emoção que sentiu diante daquela imagem, que passava, no momento, pelo local. O vaqueiro foi com o índio levar a imagem para o frade e os três levaram-na para uma baronesa que morava aqui.
A notícia correu por toda a vizinhança. Todos queriam conhecer a imagem. Em torno dela foi tecida uma história de milagres e intensificada a crença popular.
Pelo fato de ter encontrado em uma grotas, deram-se o nome de N.S. das Grotas e foi logo proclamada a Padroeira da terra. Continua sendo venerada com muito amor e respeito. O dia 8 de setembro marcas, no calendário religioso da cidade, a maior festa católica. É o dia a ela dedicado.
Após o aparecimento da imagem de N.Senhora das Grotas , os Franciscano construíram uma capela coberta de palha, atual Rua 15 de Novembro e, em 1710, construíram, provavelmente, no local onde a imagem foi encontrada a 1ª igreja. Mais tarde, esta igreja foi ampliada pelo inesquecível Monsenhor Antônio Costa Rêgo e, hoje, é a Catedral.
A imagem encontrada é a mesma que fica no altar-mor da Catedral e todos os anos sai em procissão por várias ruas da cidade, no dia da sua festa.
Juazeiro é uma cidade aberta a todas as religões. Comecemos pelas informações sobre o catolicismo: A paróquia de Juazeiro foi criada em 26 de março de 1840 pela Lei Nº 144. Em 21 de julho de 1962, foi criada a Diocese de Juazeiro (antes Juazeiro pertencia à Barra do Rio Grande), com sede em Juazeiro e abrangendo os município de Pilão Arcado, Remanso, Sento sé, Casa Nova e Curaçá.
No dia 10 de fevereiro de 1963, foi oficialmente instalada a diocese, com a posse do seu primeiro bispo - Dom Tomás Guilherme Murphy. O 1º padre foi Caetano de Araújo Mato Grosso, nomeado em 1841; morreu no dia 15 de outubro de1885, na rua Visconde do Rio Branco, Nº47.
Inúmeras confrarias foram fundadas na igreja de juazeiro, igrejas e Capelas católicas, situadas na sede do município: Catedral de Nossa Senhora das Grotas, igreja Antônio, Igreja Santa Teresinha, Igreja Santa Maria Goretti, Igreja Santo afonso, Igreja Cosme e Damião, Igreja São Geraldo, Capela Santa Helena, Capela Santa Luzia, além de diversas capelas existentes no interior do município.
Em 1849, chegou a Juazeiro o Sr. José Petitinga, o pioneiro do Espiritismo na terra de N.S. das Grotas. Esta religião conta com muitos adeptos; os seus participantes já construíram vários centros: João Moreira Rêgo, Luz Amor e Caridade, Amor Justiça e Caridade, Nosso Lar, A Manjedoura, José Petitinga e outros.
O Protestantismo chegou a Juazeiro em 1905 através do Pastor Zacarias Taylor.
Há na cidade várias seitas protestantes: Batista, Evangélica, Assembléia de Deus, e outras.
Na Década de 60 chegaram a Juazeiro os primeiros Testemunhas de Jeová.
Por último, a partir de 1985, instalaram-se na Av. Dr. Adolfo Vianna, os seguidores da Igreja Universal do Reino de Deus.
Ao lado destes credos religiosos, vamos encontrar vários terreiros de candomblé, que cultuam a fé dos orixás e os terreiros de toré, onde os caboclos indígenas são reverenciados.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

ILUMINAÇÃO - JUAZEIRO BAHIA

Os primeiros moradores devem ter usado como recursos para dissipar a escuridão das noites, as fogueiras e, mais tarde, os fifós para iluminar o interior das casas.
Quando a cidade era administrada pelo Presidente da Câmara de Vereadores - Sr. Francisco Martins Duarte, Foi inaugurada, com grande festa, a iluminação a querosene, isto aconteceu no dia 1º de janeiro de 1887. Foram colocados posto com lampião nas principais ruas da cidade.
Em 1931, no dia 1º de janeiro , o Prefeito Municipal, Sr. Rodolfo Araújo, inaugurou, no Bairro de Piranga, a iluminação pública a querosene.
No primeiro período administrativo do Cel. Aprígio Duarte Filho, foi inaugurada a iluminação elétrica, no dia 1º de janeiro de 1918. A 1ª Usina ficava no prédio que hoje é ocupado pela Secretaria de Desenvolvimento de Atividades Sociais.
Esta Usina movimentava-se com o uso de lenha na sua caldeira. Por uma enorme chaminé saiam as fagulhas e, nas noites de muito vento, os moradores mais próximos da usina sofria muito, pois essas fagulhas caiam em cima das casa e queimavam as roupas entendidas nos quintais. A zoada do motor era muito grande. Quando a correia da polia (peça da roda) soltava, tudo tornava-se mais grave. A recolocação da correia era uma operação demorada, deixando a cidade às escuras por um dia ou dois.
No segundo período da administração de Apriginho, no dia 1º de janeiro de 1942 foi inaugurado o prédio e a caldeira da 2ª Usina, no Largo Constantino Nascimento (largo do matadouro). A caldeira dessa Usina, no início, era movimentada a lenha e, mais tarde, substituida por motor a óleo diesel.
Na administração de José Padilha de Souza, Juazeiro teve sua 3ª Usina, que ficavam na ilha do fogo, cujos motores eram movimentados a óleo diesel.
Por causa das deficiências do trabalho destas três Usinas, só tinhamos luz à noite, por algumas horas; poucas geladeiras funcionavam a querozene e outros eletrodomésticos não existiam.
24 de dezembro de 1964, juazeiro recebeu o grande presente: sem festas e, tarde da noite, foi ligada a chave da luz gerada por Paulo Afonso. Administrava a cidade o grande Américo Tanuri.
Hoje, Juazeiro e grande parte do Nordeste estão iluminados pelos Lago de Sobradinho desde 1981.
A atual administração Jorge Khoury trouxe o que há mais moderno em iluminação que são as lâmpadas de vapor de sódio.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

DIA DA ÁRVORE

"PRIMAVERA" DE SANDRO BOTTICELLI

Por que comenoramos o Dia da Árvore em 21 de setembro? Os Estados decidiram adotar o 22 de abril como dia da árvore.
A data coincide com o aniversário de J. Morton, um morador de Nebrasca que incentivou a plantação de árvores naquele Estado. O Brasil foi um dos poucos países que não seguiu o exemplo dos EUA e escolheu o dia 21 de setembro para celebrar a árvore. Existe uma explicação lógica para a decisão: os povos indígenas brasileiros sempre cultuaram as árvores à época das chuvas ou quando se preparava a terra para semear.
Então adotou-se a data que marca a entrada da Primavera. Um fato curioso é que, por razões climáticas, o Norte e Nordeste do Brasil cultuam a árvore na última semana de março, no período referente ao início das chuvas naquelas região, e não com aconteceu no resto do país.

COELBA

Fevereiro de 1965. A COELBA instala-se em Juazeiro. A sede fica em Salvador- BA. Juazeiro consta dentro da organização deste órgam como um distrito subordinado à Gerência de Bonfim- Bahia.
A COELBA distribui por todo o município a energia gerada. No caso de haver qualquer defeito nos geradores, o município passa a receber energia de Paulo Afonso, porque existe o sistema integrado de distribuição de energia na área Norte/Nordeste, formado por Paulo Afonso, Sobradinho, Boa Esperança e Tucuruí.
O gasto de energia de cada instalação é acusado no medidor (contador); o medidor acusa a quantidade de consumo de KWH hora; o leiturista vai anotando em um mapa geral, que é enviado a Bonfim e lá, as informações do mapa são transformadas em contas individuais.
Antes da COELBA os pagamentos do gasto de energia eram feitos na Prefeitura Municipal de Juazeiro.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

domingo, 20 de setembro de 2009

ÁGUA

Juazeiro surgiu à margem direita do Rio São Francisco. Sua população sempre teve água com fartura para viver,mas, esta fartura de água tem trazido algumas vezes, problemas e tristeza para seus habitantes:
Basta lembrar as grandes enchentes, que deixaram a cidade quase destruída.. Entre elas citaremos a de 1906, a de 1919 e a de 1926.
Juazeiro fica num nível muito baixo e suas terras são semelhantes a uma concha: quando caem chuvas pesadas, muitos pontos da cidade ficam alagados; os riachos sangram e provocam vários prejuízos à cidade. O rio já trouxe muitos dessasossego para a população.

No momento atual, os problemas de inundação são mínimos. O rio é controlado pela Barragem de Sobradinho; parte da cidade é protegida pelo cais e alguns riachos foram desviados, para evitar maiores perigos de enchente.
Até meados deste séculos, Juazeiro não tinha um serviços de água e, consequentemente, a água não era canalizada.
As casas eram abastecidas pelos aguadeiros e aguadeiras.

Alguns aguadeiros carregavam a água com o auxílio de jegues; colocavam neste uma cangalha e, de cada lado deste, dois barris de madeira. Outros apoiavam nos ombros uma espécie de caibro e em cada ponta prendiam, com auxílio de cordas, uma lata; os ombros eram protegidos por pedaços de pano semelhantes a uma rodilha. Os aguadeiros de Juazeiro imortalizaram-se, transformando-se em tipos folclóricos.
As aguadeiras eram mais elegantes na sua simplicidades; usavam vestidos já envelhecidos; na cabeças colocavam uma rodilha de pano e sobre ela uma lata cheia d'água; na abertura da lata, era colocado um pedaço de madeira prendendo os dois lados; esta madeira ajudava no trabalho de encher a lata de água e coloca-lo na cabeça.O pagamento deste trabalho era feito mensalmente ou por latas entregues diariamente ao consumidor.
É inesquecível o visual oferecido por estes trabalhadores, no vaivém na travessa (Av. Adolpho Vianna).
A água para beber era colocada em um filtro de pedra, que parecia um grande funil feito com cimento, Apoiava-se na abertura de uma banca alta, tendo na parte inferior um pote para receber a água filtrada, onde caía gota por gota. O pote descansava sobre uma tábua presa na banca. Nos dias de grande calor, o filtro precisava ser lavado várias vezes para filtrar com mais facilidade.
Relembramos alguns aguadeiros; Chiquinho Bá-bá-bá, João Maõzinha, Manoel da Jega, Amassa Barro, Capa Jegue, Cequinho, Sinhá Esteva e Vicente, que de uma só vez carregava seis lata.
Nos fins da década de 20, o Senhor Monteiro, um Cearense, que viveu aqui muitos anos, manteve um serviços particular de água encanada: era água bruta. A bomba ficava na beira do rio e, no começo, puxava água para sua casa comercial, abrangendo hoje "A Pioneira" e instalações da Antártica. Tal foi o sucesso do seu invento que começaram a aparecer propostas ao Sr. Monteiro, no sentido de fazer ligação de água para algumas casas, na praça da Prefeitura.
Ele com alto espírito de negociante, estendeu os canos por quase todas as casas daquelas praça, chegando até à Praça da Misericôrdia. O Prefeito da época fez terminar este serviços de canalização de água, alegendo que particular não podia exercer serviço dessa natureza.
Só em primeiro de janeiro de 1955, o SESP, com o apoio do Prefeito Edson Ribeiro, inaugurou o serviço de canalização de água. O Sr. Euclides Duarte foi o primeiro a fazer ligação do serviço de água em sua residência à Rua Antônio Pedro, Nº 513.
A Estação de Tratamento de Água fica localizada no bairro de Santo Antônio. A água é retirada bruta do rio por meio de bombas que ficam colocadas na beira do rio. Passa para a Estação de Treinamentos, onde ela vai perder todas as impurezas. Recebe o sulfato de alumínio. Passando por decantadores, filtro, ela recebe o cloro, o flúor para, finalmente, poder ser distribuída aos consumidores. A água usada em Juazeiro é a de melhor qualidade no Brasil.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)





PRAÇAS E MONUMENTOS

Encontramos na cidade, algumas praças e quase todas foram restauradas na administração de Jorge Khoury.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988).

PRAÇA Dr. JOSÉ INÁCIO DA SILVA


PRAÇA DA MISERICÓRDIA - Fica em frente à Santa Casa de Misericórdia. Nesta praça, onde ainda há um coreto, foi colocado o busto de Dr. José Inácio da Silva.

No dia 1º de junho de 1985, comemorando o Centenário de fundação da Santa Casa de Misericórdia, em uma homenagem muito justa ao juazeirense ilutre, fundador daquela Casa de Saúde. Administração Aprígio Duarte Filho.


LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

LOJA MACÔNICA SEGREDO FORÇA E UNIÃO


PRAÇA Dr. JOSÉ CORDEIRO DE MIRANDA

Ao lado do Magazine Spínola. Dr. Cordeiro de Miranda foi, na sua época, o maior político da região sanfranciscana. Morou em Juazeiro. Foi um dos gerentes da Viação Bahiana.
No centro da praça, há um obelisco comemorativo do cinquentenário de elevação de Juazeiro à categoria da cidade. Foi inaugurada na administração de Cel. Miguel Lopes de Siqueira.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

PRAÇA Dr. DEOCLECIANO MARTINS DE OLIVEIRA FILHO

Ao lado do Bar La Barca (Dr. Deocleciano foi o escultor da estátua de Tiago Maior, que se acha colocada na praça). Foi inaugurada na administração de Américo Tanuri.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

LOJA MAÇÔNICA HARMONIA E AMOR


PRAÇA APRÍGIO DUARTE FILHO

Em frente à Loja Maçônica Harmonia e Amor, Nesta praça foi colocado o busto de um dos maiores juazeirense - Apriginho - (nela existia, antigamente, o Teatro Santana). Foi inaugurada na administração de Américo Tanuri.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

PRAÇA IMACULADA CONCEIÇÃO


Em frente à Catedral de Nossa Senhora das Grotas. Há nesta praça um monumento à Imaculada Conceição.
O monumento foi ali colocado no dia 9 de dezembro de 1954, pelo candidato a Prefeito, Sr. José Padilha de Souza.
Era o Prefeito, na época. Dr. Edson Ribeiro.
PRAÇA DA BANDEIRA - Ao lado do Prédio da SUNAMAN. Existe, nesta praça, um monumento colocado pelo Lions Club, em comemoração da 1ª Conferência Distrital do Lions de Juazeiro. Admisnistração de Alfredo Viana.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

PRAÇA IVO BRAGA

Ao lado da Carranca Móveis e Mercadinho São Paulo. É chamada de PRAÇA DO BOI, porque nela foi colocado um bonito painel em azulejo, representando a mais linda cena sertaneja:
Um vaqueiro encourado correndo atrés de um boi.

Foi inaugurada na administração de Joca de Souza Oliveira.

LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires

PRAÇA SIMÕES FILHO


Fica entre a Rua 15 de Novembro e a Rua Flaviano Guimarães. Inaugurada na administração de Américo Tanuri.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires

PRAÇA DA BÍBLIA


Em frente às Lojinhas de Artesanato da Associação de Artesãos de Juazeiro. No centro da praça, sobre um pedestal, foi colocada uma bíblia. Esta praça foi inaugurada na administração de Arnaldo Vieira do Nascimento. Atualmente, passou a Praça da Bíblia por profundas modificações, na administração Jorge Khoury, porque ela foi transformada em termimal de ônibus.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

PRAÇA DOM TOMÁS

Fica no Bairro de Santo Antônio. Nela foi colocado um monumento alusivo ao 1º Bispo da Diocese de Juazeiro - Dom Tomás - e um parque infantil. Foi inaugurada na administração de Joca de Souza Oliveira.
PRAÇA ALFREDO VIANNA - Ao lado do prédio dos Correios e Telégrafos. Alfredo Vianna foi um dos prefeitos de Juazeiro. A praça foi inaugurada na administração de Durval Barbosa da Cunha.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988).

PRAÇA DA CRIANÇA

Conhecida por Praça da Mônica. Fica na Vila Euza. Nela fica uma linda estátua, em cimento, da boneca Mônica. Foi inaugurada na administração de Arnaldo Vieira do Nascimento, com grande participação do CDL no Ano Internacional da Criança (1979). Na administração de Jorge Khoury sofreu grande reforma.
PRAÇA MONSENHOR NESTOR - Fica na Vila Euza. ( Monsenhor Nestor é uma Sacerdote que, há muitos anos serve à comunidade de Juazeiro). Existe nesta praça um parque infantil. Foi inaugurada na administração de Durval Barbosa da Cunha.
PRAÇA PEDRO PRIMO - Em frente ao Estádio Adauto Moraes.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988).

PRAÇA DO ÍNDIO

No largo 2 de Julho foi construída uma praça (conhecida com Praça do índio) e nela colocaram a estátua de um índio, em homenagem aos Tamoquins da nação Cariri, por terem sido os primeiro moradores da terra. Foi inaugurado na administração Américo Tanuri.
PRAÇA LIONS CLUBE - Na avenida Antônio Carlos Magalhães há uma praça e nela um monumento ali colocado pelo Lions Clube comemorando os 25 anos de instalação de Arnaldo Vieira do Nascimento e restaurada na administração de Jorge Khoury Hedaye.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

JARDIM SÃO FRANCISCO

Em frente ao rio, Nesse jardim colocaram o navio "Saldanha Marinho", primeira embarcação a vapor do Rio São Francisco. O velho vapor está sendo aproveitado como restaurante e é um dos mais procurados da cidade. O Jardim São Francisco foi mais obras da administração de Apriginho. O "Vaporzinho" foi ali colocado na administração de Américo Tanuri.

ANEL RODOVIÁRIO
No Anel Rodoviário, em frente ao bairro Lomanto Júnio, encontra-se a estátua de Lomanto Júnio, que homenagea o então Governador do Estado da Bahia, por trazer a Juazeiro a luz de Paulo Afonso e por construir a rodovia que ganhou o seu nome.
Neste mesmo Anel Rodoviário está um monumento, colocado pelo Rotary Clube, simbolizando sua filosofia e ação de servir.
LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988).

sábado, 19 de setembro de 2009

BUSTOS

BUSTO DE Dr. JOSÉ DE SOUZA ARAÚJO


Na Maternidade São José, anexa ao ao Pronto Socorro (homenagea o médico que idealizou e construiu aquela Maternidade).

BUSTO DO EX-PREFEITO DURVAL BARBOSA DA CUNHA

Fica no pátio interno do Colégio Municipal Paulo VI, justa homenagem por ter sido o prédio construído na sua administração, com recurso da Prefeitura.( o Colégio Municipal Paulo VI foi fundado na administração de Américo Tanuri).

CRUZ DE CARNAÚBA


Colocada no Bairro Juazeiro Velho; marco indicador da abertura do Ano Centenário (15.07.1977), comenorando a elevação de Juazeiro à categoria de cidade.
TÁBUAS DA LEI - Em frente à Dijauto, oferta do adventista Sr. Elpídio Nunes. Este monumento foi inaugurado na administração de Arnaldo Vieira do Nascimento.
CLUBES DE SERVIÇOS

São órgãos que prestam serviços à comunidade.

Rotary Juazeiro - Lions Clube - Lojas Maçônicas: Harmonia e Amor - Segredo Força e União.

LIVRO JUAZEIRO BAHIA - Maria Franca Pires (1988).


ESPORTE

O esporte mais praticado em Juazeiro é o futebol. Surgiu, aqui, desde o início deste século.
A liga Desportiva foi organizada em março de 1928.
O primeito time de futebol foi Juazeiro. Na década de 20, Veneza e Castro Alves fizeram a história.

VENEZA FUTEBOL CLUBE - PODER AZUL (Anos 60/70)

No futebol são inesquecíveis os nomes de : Edgar Santa Cruz, Bacalhau, Adauto Morais, Meireles, etc.
Os times atuais que compõem o nosso futebol são: Veneza, Olaria, 15 de Novembro. Barro Vermelho, América, Juazeiro, Grêmio, Carranca.
Além do futebol, temos um exelente grupo de capoeirista, no bairro de Piranga.
Os colégio de !º e 2º Graus desenvolvem nos estudantes o amor a outros tipos de esporte: Volley, Handbaal, natação, corrida rústica.


Um lembrete importante: O juazeirense, Luiz Pereira. foi titular da Seleção Brasileira de Futebol na Copa de 1974.
NOTA: Lourival Matos da Silva (Lourinho). o juazeirense que fez o gol mais rápido do mundo, no dia 18 de agosto de 1793. Ele era jogador do Juventus e jogava contra o 15 de Novembro.
LIVRO JUAZEIRO DA BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

CINEMA

Nos anos 20, na época do cinema mudo, em Juazeiro funcionou o IDEAL CINEMA, no prédio do Teatro Santana. Durou alguns anos.


Na década de 50, funcionou na cidade, o CINE GLÓRIA, em prédio situado à Praça Imaculada Conceição, conhecido pelo nome de "Brasinha", hoje pertence à Diocese. O CINE GLÓRIA durou pouco tempo. Tivemos, também, por pouco tempo, o CINE POPULAR.
CINE TEATRO SÃO FRANCISCO, inaugurado, nos fins da década de 30. é o único cinema que existe na cidade.
LIVRO JUAZEIRO DA BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

SÍMBOLOS


1 - HINO DE JUAZEIRO

Oficializado pela Lei Nº 803 de 12 de dezembro de 1976, na administração de Durval Barbosa da Cunha.
LETRA: Prfª Layse de Luna Brito
MÚSICA: Maestro José Pereira Bispo
Juazeiro, terra amada,
Lutarei por teu progresso
Hei de ver-te coroada
Com os lauréis de teus sucesso.
Tens beleza e alegria
Do teu povo hospitaleiro
Que deseja-te sempre
Triunfante e altaneiro.
Que conheçam outras terras
O valor de tua gente,
Tradição que tu encerras
de um tempo agora ausente.
Juazeiro és esperança
Pois nos lembra o teu nome
A cor verde da bonança
Nossa fé não se consome.
Tua glória já não é fugaz,
Faz teu povo prazenteiro
dar as mãos e construir a paz
de teus sonhos, Juazeiro.
LIVRO: JUAZEIRO DA BAHIA - Maria Franca Pires (1988)

2 - BRASÃO DE JUAZEIRO

SIMBOLISMO:

As ESTRELAS simbolizam os distritos e a sede do município.
A BARCA com a CARRANCA representam o Rio São Francisco e os barqueiros.
CANA: Produto da Região
CAPELO: Simboliza a República
CORES DO ESCUDO

LETRAS: azuis
BARCA E CARRANCA: preta
CONTORNO DO ESCUDO E DAS FAIXAS: preto
ESTRELAS E VELAS DO BARCO: amarelas
CANA: verde
CAPELO: vermelho
LADO SUPERIOR DO ESCUDO: azul
PARTE INFERIOR DO ESCUDO: branco

3 - BANDEIRA DE JUAZEIRO


A bandeira é branca com brasão no centro.
LIVRO: JUAZEIRO DA BAHIA - Maria Franca Pires (1988)






CRESCIMENTO POLÍTICO DE JUAZEIRO

Como é bonita a história do crescimento político de Juazeiro!
  • 1766 - Juazeiro elevado a julgado.
  • 09 de maio de 1833 - Juazeiro elevado a Vila e criado o município.

O Conselho Municipal foi instalado no dia 11 de junho de 1834, com os seguintes componentes:

  • Francisco de Paula Pita - Presidente
  • João Ferreira Regis
  • João Evangelista de melo
  • Antônio Martins Duarte
  • Eugênio Nunes da Silva
  • Adeodato ferreira Campos
  • Capitão-mor Antônio Joaquim da Costa, que foi substituído, no dia 02 de julho de 1834, por não ter se apresentado para tomar posse.

Após sua elevação a Município, Juazeiro teve seu primeiro Juiz, o Dr. José Ferreira Souto, que ficou no cargo até o ano de 1836.

  • 15 de Julho de 1878 - Juazeiro é elevada à categoria de cidade.

"Lei 15 de julho de 1878. Nº 1814. O Barão Homem de Melo do Conselho de S.M. o Imperador, dignitário da Ordem de Rosa e Presidente da Província da Bahia, faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Geral Legislativa Provincial decretou e eu sanciono a Lei seguinte:

Artigo 1º - Fica elevada à categoria de cidade a Vila do Juazeiro com a denominação de cidade do Juazeiro.

Artigo 2º - Revogam-se as disposições em contrário.

Mando portanto a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução de referida pertencer que a cumpram e façam cumprir tão inteiramente como nela se contém. O Secretário da Província, 15 de junho de 1878, 57º da independência e do Império Assinado: "Barão Homem de Melo".

O Barão Homem de Melo ocupava um cargo semelhante ao de Governador do Estado.

Hoje, Juazeiro é uma cidade centenária que tem a sua história registrada desde 1706.

Em todos os segmentos da história, Juazeiro vem escrevendo lindas páginas, através da inteligência e do trabalho dos seus filhos e migrantes, que lhe dedicam amor e gratidão.

É uma cidade heróica, na pessoa de seu filho - Salustiano Luiz Ferreira - que na guerra do Paraguaia, na Campanha de Angustura, foi, infelizmente, atingindo por um projétil no cránio.

PODER EXECUTIVO

Governo Municipal - Os estados são divididos em pedaços de terra que recebem o nome de município.

Nós moramos em um municípios chamado Juazeiro.

Os municípios possuem vida própria. Cada município tem o seu governo, que recebe o título de Prefeito.

O Prefeito é escolhido pelos moradores do municípios em uma eleição, que é feitas de seis em seis anos.

Juazeiro está sendo governado por Dr. Jorge Khoury Hedaye, desde o dia primeiro de fevereiro de 1983, cujo mandato terminará no dia 30 de dezembro de 1988.


Juazeiro já teve vários Prefeitos, que realizaram trabalho digno de respeito. Conheça os nomes destes heróis:
  • Francisco Martins Duarte (26.o2.1892 a 21.04.1896)
  • Ramiro Antônio Ribeiro (21.04.1892 a 21.04.1896
  • Henrique José da Rocha (21.04.1896 a 21.04.1900)
  • Dr. Antônio da Cunha Melo (21.04.1900 a 15.11.1904)
  • Dr. José Inácio da Silva (15.11.1904 a 15.11.1908)
  • Ramiro Antônio Ribeiro (15.11.1908 a 02.01.1910)

NOTA: Morreu antes de terminar o mandato. Foi substituído por Egídio Lopes de Almeida, que era o Presidente da Câmara Municipal. Governou de: 02.03.1910 a 23.03.1924

  • Aprígio Duarte Filho (23.03.1912 a 01.01.1924)
  • Dr. Adolpho Vianna

NOTA: Não exerceu o cargo. Pediu licença e foi substituído, legalmente, por Leônidas Torres: 01.01.1924 a 01.01.1928

  • Miguel Lopes de Siqueira (01.011928 a 24.10.193o
  • Rodolfo Araújo (dezembro de 1930 a fevereiro de 1933)
  • Aprígio Duarte Filho (novembro de 1933 a 19.09.1937
  • Alfredo Vianna (20.09 a 10.11 1937)
  • Aprígio Duarte Filho (novembro de 1937 a 29.10.1945)
  • Dr. Ademar Raimundo da Silva (05.11 a 24.121945)
  • Dr. Edson Ribeiro (25.12.1945 a 25.11.1946)
  • Ludgero de Souza Costa (27.11.1946 a 10.01.1948)
  • Alfredo Vianna ( Janeiro de 1948 a 10.01.1951)
  • Dr. Edson Ribeiro (31.01.1951 a 07.04.1955)
  • José Padilha de Souza (07.04.1955 a 07.04.1963

NOTA: Faltando alguns meses para terminar o seu mandato, adoeceu e passou o exercício ao Presidente da Câmara de Vereadores - Sr. Carlos Hermenegildo Rosa

  • Américo Tanuri (07.04.1963 a 07.04.1967)
  • Joca de Souza Oliveira (07.04.1967 a 07.04.1971)
  • Américo Tanuri (07.04.1971 a 31.01.1973)
  • Durval Barbosa da Cunha (31.01.1973 a 31.01.1997)
  • Arnaldo Vieira do Nascimento -Vice-Prefeito: Dr. Joseph Wallace Bandeira (31.011997 a 31.01.1983)

NOTA: A partir da administração de Arnaldo Vieira do Nascimento, Juazeiro passou a ter Vice-Prefeito.

  • Dr. Jorge Khoury Hedaye - Vice-Prefeito: Dr. José Carlos Tanuri (01.02.1983. Continua Em exercício.

O Prefeito Jorge Khoury Hedaye vem procurando dentro das suas possibilidades, recolocar Juazeiro no seu lugar de "Princesa do São Francisco" e de "Terra da Cultura".

Em seu trabalho, ele conta com a participação direta dos seus assessores, através das Secretarias e Departamentos:

  • SAS - Secretaria de Desenvolvimento de Atividades Sociais
  • SEF - Secretaria de Finanças
  • SOP - Secretaria de Obras e Serviços Públicos
  • SDE - Secretaria de Desenvolvimento de Atividades Econômicas
  • SEA - Secretaria de Administração
  • SSU - Secretaria de Serviços Urbano

LIVRO: JUAZEIRO DA BAHIA - Maria Franca Pires (1988)


quarta-feira, 16 de setembro de 2009

CALENDÁRIO FESTIVO DE JUAZEIRO DA BAHIA

JANEIRO

  • Festa do Senhor dos Navegantes, com a procissão fluvial.
  • Fim das festa natalinas. Na administração de Jorge Khoury o órgão municipal de cultura está revivendo as comemorações como eram feitas, no passado, com e ternos e Reis de Boi.

FEVEREIRO / MARÇO

  • Em um dois dois meses, acontece a festa mais participativa na comunidade: O CARNAVAL.


MARÇO / ABRIL

  • Dependendo da realização do carnaval , a cidade faz as comemorações religiosas da Quaresma e, neste período, acontece a apresentação da maior manisfestação folclórica juazeirense: " Os Penitentes". Na administração de Jorge Khoury, artista juazeirense vêm realizando belos espetéculos teatrais sobre o tema: Paixão de Cristo.
  • No passado, Padre Teófônio realizava teatro-sacro sobre o tema: "Paixão e morte de Cristo"

MAIO

  • Em tempos passados, a Igreja Católica comemorava brilhantemente o mês à Virgem Maria.
  • Nas escolas e na sociedade, são feitas muitas festa em homenagem às mães.


    JUNHO
  • As escolas fazem lindas festas juninas.
  • A Preteitura oferece aos munícipios noites cheias de divertimentos.
  • As famílias fazem trezenas e novenas em homenagem aos santos do mês. Entre as Trezenas de Santo Antônio, merece destaque a que acontece na roça de "Ogum Roxo Mucumbo", no bairro do Quidé sob a coordenação do Babalorixá - Pai Henrique.

JULHO

  • É o mês do município; no dia 15 comemora-se a elevação de Juazeiro à categoria de cidade. A prefeitura faz muitas festas em regozijo ao acontecimento.

AGOSTO

  • Mês do folclore. Escolas e Departamento Municipal de Cultura promovem comemorações, com o objetivo de preservarem a tradição folclórica da terra.
  • As escolas e a sociedade promovem festas para homenagear o "papai" .





SETEMBRO

  • Mês da Padroeira de Juazeiro - Nossa Senhora das Grotas - é a maior festa religiosa, de que todos os católicos participam com fé e entusiasmo.
  • Várias família e todos os terreiros de candomblé fazem a festa dos santos gêmeos - Cosme e Damião - com carurus.

OUTUBRO

  • Comemorações em homenagem às crianças e ao professor.
  • Realização da FENAGRI - Feira Nacional de Agricultura Irrigada e Festa do Melão.
  • Festa de Nossa Senhora do Rosário - é a festa do Rosário que, em Juazeiro, os Congos, uma das riquezas folclóricas da terra, apresentam-se.
  • Festa do Senhor dos Aflitos, feitas pelos irmãos e Diretoria da Santa Casa de Misericórdia.

NOVEMBRO

  • Mês da Cultura. As escolas fazem comemorações e, também, o Departamento Municipal de Cultura.




DEZEMBRO

  • Mês das confraternizações.

Muitas pessoas, ainda, conservam o hábito de armar lapinhas ou presépios.




  • A Prefeitura coloca nas ruas uma ornamentação própria para a época e promove atrações concentradas em algumas praça, no centro da cidade.

LIVRO JUAZEIRO DA BAHIA -Maria Franca Pires - 1988








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Nego D'Água

O Nego D'Água

OS CONGOS - FESTA DO ROSÁRIO

OS CONGOS - FESTA DO ROSÁRIO

Rio São Francisco

Rio São Francisco
Juazeiro Bahia